5 Perfis de Instagram sobre sustentabilidade e meio ambiente

As redes sociais têm também muita informação para aqueles que lutam por uma causa social, entre elas, o meio ambiente. Importante tornar o nosso planeta sustentável e duradouro para as próximas gerações, por isso hoje quero indicar perfis que podem ser seguidos ou acompanhados para ficar ciente sobre notícias, ações, reuniões e programas relacionados ao tema da sustentabilidade.

A ONU, o Greenpeace e a WWF são organismos validados mundialmente por suas atividades em prol da conservação e proteção dos ecossistemas marinhos e terrestres, além de aceitar voluntariado para a sua ações e programas.

ONU Meio Ambiente

ONU Brasil

Nações Unidas

Greenpeace Brasil

Wwf-Brasil

É importante que todo cidadão esteja informado sobre as ações governamentais e de organismos não governamentais sobre as causas do meio ambiente, para que também possa descobrir qual será a sua parcela de contribuição para garantir a preservação do nosso planeta. Pequenas ações diárias podem ser decisivas para a manutenção dos rios e mares limpos.

Greenpeace

Pense:

1. Como faço para reduzir o número de plástico que consumo?

2. Estou utilizando de forma racional a energia elétrica?

Precisa-se ter em mente que a preocupação com os problemas ambientais são decorrentes do estilo de vida que as pessoas têm, excessos de produção e consumo, por isso todos os indivíduos são importantes no controle desse processo, e ter ações sustentáveis é assumir um compromisso com a vida.

Se você já é engajado com alguma ação sustentável, coloque compartilhe suas dicas para que outras pessoas possam seguir seu exemplo.

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – ODS

Em 2015 chefes de diversos países, assinaram documento comprometendo-se a cumprir  e implementar os Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável – ODS das nações. São 17 objetivos e 169 metas, com o princípio maior de erradicação da pobreza e, com isso, garantir paz e prosperidade mundial. As nações reúnem-se periodicamente há alguns anos, sendo as reuniões mais famosas, a Conferência de Estocolmo (1972) e a Rio92 (1992), e, em conjunto observam que a sobrevivência do nosso planeta, depende, necessariamente, de um esforço unificado a fim de preservar o meio ambiente. Então, a cada reunião global, estabelecem-se metas prioritárias para alcançar o objetivo maior de ter um Desenvolvimento Sustentável.

No ano 2000 estabeleceram documento se comprometendo aos chamados OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO, naquela época eram 8 (oito) objetivos, que compunham a Agenda 21, conforme site da ONU foi uma experiência bem sucedida, pois houve esforço e acompanhamento das metas preestabelecidas.

Após nova reunião na sede das Nações Unidas em Nova York, em 2015 estabeleceram os OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL – ODS, conforme vemos na figura abaixo. No site da ONU – AGÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDADE, clique aqui, poderá ver detalhadamente os objetivos ODS e as 169 metas que compõe esse pacto e fazer parte da agenda 2030.

OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ONU VIVENCIASFORALL sustentável sustentabilidade
OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL – Agenda 2030. Fonte: ONU, 2015.

Diversos estudiosos ressaltam a importância de um comprometimento global, além de uma mudança no estilo de vida de consumo a fim de garantir menos impacto ao meio ambiente. Vários recursos naturais não são renováveis e com o esgotamento a vida poderá ficar inviável no planeta. E a água que é um recurso renovável, mas necessita de atenção pois se for contaminada, se tornará imprópria para a vida.

Sen (2007) afirma que o desenvolvimento perpassa o crescimento econômico e apenas considerar a renda per capita é um erro porque garantir as liberdades individuais deve ser mais importante para que o desenvolvimento ocorra de forma satisfatória. O objetivo principal do desenvolvimento não deve ser a maximização da renda e da riqueza, mas considerar a melhoria da qualidade de vida que levará à expansão das liberdades, para o professor indiano Amartya Sen o desenvolvimento deve ser visto sob o ponto de vista dos atores sociais e para além das questões econômicas.

Há a relação direta entre práticas de consumo e responsabilidade ambiental, por isso é necessário que as organizações, empresas e indivíduos comprometam-se cotidianamente a viver em prol de ações sustentáveis.

A relação entre consumo e política pode ser observada ao prestarmos atenção nas novas ideologias, discursos e movimentos sociais que propõem, como solução para o enfrentamento de problemas sociais e ambientais, práticas de consumo responsável, consciente, ético ou sustentável (PORTILHO, 2011).

Os ODS, Agenda 2030, tem um propósito maior centrado na pessoa, e é difícil falar em desenvolvimento econômico e sustentável sem preocupar-se com a erradicação da pobreza e uma melhor distribuição de renda, porque o impacto de falta de saneamento básico, por exemplo, sobre o meio ambiente pode ser determinante em alguns países para a grande contaminação de água potável.

As instituições públicas e privadas são grandes consumidoras e geradoras de lixo, por isso, necessitam implementar práticas na rotina administrativa para que diminuam o impacto ambiental de suas atividades. É importante que Prefeituras e órgãos municipais e estaduais comecem a implantar práticas para atingir as metas do desenvolvimento sustentável à luz dos ODS determinados pela ONU, pois irá garantir melhor qualidade de vida, aumento no Índice de Desenvolvimento Humano – IDH da população e, consequentemente, atrair mais recursos que permitirão o desenvolvimento econômico, o PIB municipal.

O Estado da Bahia possui iniciativas nessa área de sustentabilidade, porém ainda há uma lacuna a ser preenchida na rotina administrativa dos municípios baianos e em suas prefeituras a fim de atender à demanda do Desenvolvimento Sustentável, fato que com  as atitudes de gestão eficientes, claramente definidas em metas institucionais, poderão ser significativas para a mudança positiva do Município situado na Bahia.

Essas metas, em prol de uma administração sustentável, podem ser determinantes para uma mudança organizacional nas Prefeituras Baianas, também torna-se necessária a política de conscientização de todos os envolvidos, sejam: servidores públicos municipais, prestadores de serviços e comunidade munícipe em geral.

Texto elaborado por mim, possuo Mestrado em Administração, caso deseje complementar ou aprofundar no assunto segue abaixo referências utilizadas no texto, e o link para consulta ao site da ONU.

REFERÊNCIAS

JESUS, ARPBJ. Mudança organizacional na Administração Pública federal… Dissertação de Mestrado em Administração, Bahia , UNIFACs, 2011.

PORTILHO, F.; CASTAÑEDA, M.; CASTRO, I.R.R.N. de.  A alimentação no contexto contemporâneo: consumo, ação política e sustentabilidade. Ciências e Saúde Coletiva, 16(1): 99-106. 2011.

ONU. Organização das Nações Unidas. https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/ acesso em setembro/ 2019.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. Editora Companhia das Letras. São Paulo, 2007.

Os Jogos Olímpicos de 2020 serão em Tokyo / Tóquio – Japão.

As Olimpíadas de 2020 serão em Tokyo ou Tóquio no Japão, esta será a primeira cidade da Ásia a sediar os jogos olímpicos por duas vezes. A primeira vez foi em 1964. Vale a pena, esclarecer que em português escreve-se Tóquio.

Todos sabem que a língua japonesa tem matriz linguística muito diferente do restante do mundo, seu alfabeto escrito em ideogramas, torna um pouco difícil a comunicação, porém os japoneses por serem muito simpáticos e tem visão holística, muitos falam inglês e podem comunicar-se com os turistas tranquilamente.

Em japonês o nome dos Jogos Olímpicos escreve assim: Jogos Olímpicos de Verão de 2020 第三十二回オリンピック競技大会

Imagino que quem tem língua latina ou anglo-saxã terá dificuldade em gravar isso, mas deixando a língua japonesa um pouco de lado, ir ao Japão vai se tornar uma viagem inesquecível, devido à cultura e gastronomia do povo japonês.

Além de ver algum dos Jogos Olímpicos em 2020, não podem deixar de experimentar o que tem de bom na comida japonesa, fotografar as cerejeiras, e apreciar o modo de vida japonês, que as estatísticas mostram que têm vida longa. Em Tóquio há bastante vida cultural com arte contemporânea em alguns museus, que valem a pena visitar, e os jardins nacionais, como por exemplo Shinjuku Gyoen que é famoso.

Lembre-se que ao estar em Tóquio estará em uma das poucas metrópoles do mundo consideradas globais.

A programação diz que a cerimônia de abertura será 24/07 e o encerramento em 09/08/2020, tem-se bastante tempo para planejar a viagem e conseguir o visto. Já expliquei aqui no blog a estratégia de como economizar para viajar clique aqui.

Gatos da sorte japonês. Foto: Vivenciasforall Cultura japonesa Japão Ásia
Gatos da sorte japonês. Foto: Vivenciasforall

 

Fiz essa fotografia quando estive no Festival da Cultura Japonesa em Salvador.

Não tenho como dar dicas mais precisas porque ainda não estive na Ásia, mas quem quiser compartilhar conosco, pode ficar à vontade e colocar as dicas de viagem aqui nos comentários.

 

 

Você pretende assistir aos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020?

Como sair bem nas fotos? Dicas de fotografia em aulas particulares – Salvador – Bahia

Olá! Gostaria de aproveitar para explicar a vocês, em relação a ensaios fotográficos muitas pessoas ficam tímidas e acreditam que não podem ter boas fotos, porque não são modelos, mas a verdade é, que muitas pessoas são fotogênicas, pois tudo pode ser uma questão de ângulo e direção de fotografia.

Ah, mas como eu vou sair bem em uma foto? Muitos pensam isso, porque às vezes fizeram algumas fotografias que não saíram-se bem, e então acham que toda vez será assim. Como dizem o pessoal do Hooponopono, isso é uma “crença limitante”, abstraia isso da sua vida. No meu dia a dia, tenho percebido muitas pessoas reclamando disso, que não ficam bem nas fotos, ou que não são fotogênicas.

COMO SAIR BEM NAS FOTOGRAFIAS. Vivenciasforall
COMO SAIR BEM NAS FOTOGRAFIAS. Vivenciasforall

Na realidade o que ocorre, são fotos mal posicionadas, ou, sem observar algumas regras básicas de composição ou pose fotográfica. Existem poses perfeitas para fotografia que tornam qualquer foto de qualquer pessoa, adulto ou criança, em foto adorável, e outras poses que tornam fotos de modelos profissionais, em fotos não ideais, por isso vocês, caros leitores, precisam entender que, um rosto bonito ou um corpo perfeito, não é tudo na fotografia.

A boa fotografia depende bastante do trabalho e sensibilidade de quem está fotografando, não é simplesmente clicar e pronto, precisa reposicionar a câmera ou a pessoa fotografada, é um conjunto de coisas, inclusive muitas vezes quem está como fotógrafo, seja amador ou profissional, é quase 90% responsável por uma boa foto.

Em poucas aulas particulares pode aprender também qual o seu melhor ângulo e poses, além de dicas para avisar à pessoa que vai lhe fotografar para prestar atenção. Não me importo de passar essas dicas, gosto de ver todos com boas fotos, ainda mais que para se tornar um fotógrafo profissional precisa-se estudar muito e de mais conhecimento.

E aí depois das aulas, é só praticar bastante.

AS MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS E AS PESSOAS

Este é um fragmento do trabalho intitulado Mudanças organizacionais e seus impactos em uma Instituição Pública de Educação, publicado no periódico Ciências Sociais Aplicadas em Revista da UNIOESTE – Paraná em 2010 . E está disponível no site: http://e-revista.unioeste.br/index.php/csaemrevista/article/view/6701/5034

Resolvi colocar aqui disponível no blog, porque percebo que a mudança organizacional, ou seja, no ambiente de trabalho ocasiona grandes impactos nas pessoas, e requer uma atenção por parte dos gestores das mudanças. Segue parte do texto, de minha autoria Alda Resende:

Na contemporaneidade existem muitos trabalhos sobre mudança nas organizações, mas poucos estudos são focados nas ocorridas na gestão pública e menos ainda em Instituição Federal de Ensino.

O conceito de mudança organizacional sob a perspectiva de desenvolvimento organizacional, in Weick e Quinn (1999, p. 363), é: Mudança é um conjunto de teorias científicas de comportamento, valores, estratégias e técnicas que visam mudanças planejadas do trabalho organizacional com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento pessoal e melhorar a performance organizacional, através da alteração de comportamento in loco dos membros da organização (PORRAS; ROBERTSON 1992, p. 723 in WEICK; QUINN,1999, p.363).

Tomaz Wood (2009, p. 287) conceitua a mudança como: Mudança organizacional é qualquer transformação de natureza estrutural, estratégica, cultural, tecnológica, humana ou de qualquer outro componente, capaz de gerar impacto em partes ou no conjunto da organização.

Lima e Bressan (2003, p. 25) definem:

Mudança organizacional é qualquer alteração, planejada ou não, nos componentes organizacionais – pessoas, trabalho, estrutura formal, cultura – ou nas relações entre a organização e seu ambiente, que possam ter consequências relevantes, de natureza positiva ou negativa, para a eficiência, eficácia e/ou sustentabilidade organizacional.

Não menos importante é a transformação de natureza humana que não está explícita na criação do Instituto, mas sendo as organizações constituídas por pessoas, estas são essenciais no contexto das atividades e contribuem para a dinâmica organizacional, portanto quando ocorrem mudanças organizacionais requer que os gestores observem os impactos das mesmas no fator humano, tendo em vista que as atitudes podem ajudar a obter o sucesso requerido pela organização a fim de tornar-se mais competitiva (DAVEL; VERGARA, 2001).

Em geral os gestores não elaboram planos de gestão de pessoas e tendem a executar as ações de forma a atender as decisões tomadas por órgãos superiores à medida que os problemas vão surgindo (DAVEL; VERGARA, 2001).

A mudança organizacional é um fenômeno que envolve muitas dimensões enfatizadas por diversos autores, Lima e Bressan (2003, p.28-29) categorizam essas dimensões a partir da literatura sobre mudança, e relacionam como vemos abaixo:

– intencionalidade da mudança, planejada ou não;

– transformação/congruência sistêmica – relevância do impacto; – resposta ao ambiente;

– temporalidade da mudança; – mudança como construção social; – resposta a demanda interna; – continuidade/descontinuidade da mudança no tempo;

– objeto da mudança: […] – agenda da mudança […] – tempo de resposta a eventos externos (antecipação/reação) – velocidade da mudança: devagar/rápida.

Concluindo: O gestor é o agente articulador e facilitador na implementação de mudanças
organizacionais, pois estes são de grande relevância na disseminação dos objetivos institucionais entre as pessoas, e o fomento da compreensão e integração dos indivíduos (DAVEL; VERGARA2001)

REFERÊNCIAS PARA AMPLIAÇÃO DOS DEBATES:

DAVEL, Eduardo; VERGARA. Sylvia C. Gestão com pessoas, subjetividade e objetividade nas organizações. In: _____. Gestão com pessoas e subjetividade. São Paulo: Atlas, 2001. p. 31-56.
LIMA, Suzana Maria Valle; BRESSAN, Cyndia Laura. Mudança organizacional: uma introdução. In: LIMA, Suzana Maria Valle (Org.). Mudança Organizacional, teoria e gestão. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.
SOUZA, Celina. Porque mudam as formas de gestão pública? In: FUNDAÇÃO LUÍS EDUARDO MAGALHÃES. Gestão pública: a trajetória da função administrativa no Estado da Bahia. Salvador: FLEM, 2003. p. 39-49.
WEICK, Karl E.; QUINN, Robert E. Organizational change and development. Annual Review of Psychology, v. 50, p. 361-387, 1999.
WOOD, T.; CURADO, I.; CAMPOS, H. Mudança organizacional na Rhodia Farma. In: WOOD, T. Mudança organizacional.São Paulo: Atlas, 2009.